Home > Acontece > O AMOR ESTÁ NO AR: JOVEM DE 22 ANOS SE CASA NO HOSPITAL

O AMOR ESTÁ NO AR: JOVEM DE 22 ANOS SE CASA NO HOSPITAL

Um intervalo de apenas três dias separou os piores e os melhores momentos da vida da universitária Nathália Freire, de 22 anos. No dia 18 de janeiro, a jovem ouviu do médico que a leucemia, “curada” seis meses antes, havia retornado. No dia 21, em uma cerimônia improvisada, Nathália se casou no quarto do hospital particular no Lago Sul, em Brasília.

“O que tinha tudo para ser uma singela união, ficou uma cerimônia muito bonita por conta do nosso amor”, disse ao G1 o marido, Junior Oliveira. A entrevista foi dada nesta sexta (27), enquanto Nathália passava por uma sessão de quimioterapia no quarto ao lado.

Oliveira diz que o pedido de casamento veio à cabeça imediatamente, assim que o casal descobriu que teria de enfrentar a luta contra o câncer pela segunda vez. A leucemia atinge os glóbulos brancos do sangue, e faz com que eles percam a capacidade de defender o organismo.

“Tive medo de não ter outra oportunidade. A gente não sabe o dia de amanhã. Então, não pensei duas vezes e fiz o pedido. Assim, de última hora”

Os preparativos para a cerimônia foram rápidos, e foram cumpridos em meio ao turbilhão do retorno ao tratamento. Júnior conta que tudo foi feito sem muito planejamento, “mas com muito amor”.

“Eu planejava que iríamos nos casar daqui a um ano, ou dois. Então, foi tudo de repente. Corri para comprar o vestido, a aliança, achar o pastor, fazer a decoração.”

Com o apoio da equipe do hospital Daher, um quarto foi especialmente decorado para a cerimônia dos dois. No sábado à tarde, acompanhada de dez testemunhas – entre amigos próximos e familiares – e vestida com um longo vestido branco e com uma coroa de flores, Nathália Freire se casou com Junior Oliveira. “Nos tornamos um só”, diz ele.

Luta antiga

O diagnóstico recebido no dia 18 por Nathália representa o “segundo episódio” da batalha contra a leucemia. Em julho de 2016, após seis meses de tratamentos agressivos, a jovem ouviu dos médicos que estava “sem sinais” da doença. Um transplante de medula que ela recebeu da irmã, que era 100% compatível, ajudou na recuperação.

“Na época, pensamos que tinha dado tudo certo. Que eu estava livre. Mas o médico viu meus exames alterados e constatou que o câncer voltou.”

O médico de Nathália, Rafael Vasconcellos, conta que as chances de a doença retornar após um transplante desse tipo são relativamente baixas. “A leucemia costuma aparecer de novo em apenas 30% dos casos. Geralmente, em casos muito mais agressivos. Agora, a Nathália precisa de outro doador”, diz o médico.

Nathália e Júnior antes do casamento, realizado em um hospital de Brasília (Foto: Arquivo Pessoal)Nathália e Júnior antes do casamento, realizado em um hospital de Brasília (Foto: Arquivo Pessoal)

Nathália e Júnior antes do casamento, realizado em um hospital de Brasília (Foto: Arquivo Pessoal)

Juntos há nove anos, o casal diz manter a fé recuperação de Nathália, e já faz planos para celebrar a união recente. “Nosso sonho é comemorar a lua de mel no Chile”, diz Júnior.

Cadastro de doadores

A medula óssea é uma estrutura que fica dentro dos ossos do corpo, responsável pela produção das células do sangue e das células de defesa. Ela abriga um tipo específico de células-tronco, similar ao do cordão umbilical, que pode ajudar na produção do sangue.

No Brasil, mais de 4 milhões de pessoas estão cadastradas no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome). Quando um paciente precisa desse tipo de transplante, os dados são cruzados com todas essas amostras em busca da maior compatibilidade.

Para “entrar” no Redome, o voluntário precisa ter de 18 a 55 anos de idade, bom estado de saúde, e não ter doença infecciosa ou histórico de câncer. Outras condições são avaliadas caso a caso. A inscrição é simples, e requer apenas uma amostra de 10 ml de sangue.

Quando houver um paciente com possível compatibilidade, o doador voluntário será comunicado e poderá decidir quanto à doação. Exames adicionais são feitos para confirmar a viabilidade do procedimento.

Doação

Diferentemente dos transplantes de coração e pulmão, a doação de medula óssea não envolve uma cirurgia. Apesar de mais simples, o procedimento também é feito em um centro cirúrgico, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação mínima de 24 horas.

Durante o procedimento cirúrgico, o médico faz várias punções com uma seringa, e retira parte da medula óssea estocada na bacia do doador. A operação dura cerca de 90 minutos, e pode gerar dor localizada por alguns dias. Neste caso, o uso de analgésicos pode amenizar o desconforto.

Há um segundo método de retirada, menos invasivo, chamado “aférese”. Neste caso, o doador toma medicação por cinco dias para ampliar a circulação de células-tronco no corpo. Em seguida, uma máquina “filtra” o sangue e retira esse material, que será doado. O procedimento não requer internação e nem anestesia, mas a escolha do método deve ser feita pelos médicos assistentes.

Normalmente, os doadores retornam às suas atividades habituais depois da primeira semana, e a medula óssea se recompõe em cerca de 15 dias. No receptor, a medula é injetada pela veia, como se fosse uma transfusão de sangue.

Fonte: G1

Comentários

comentário

1 Resposta

  1. Karoline Meneguella

    Eu estou simplesmente emocionada com essa história !
    Que amor , que sensibilidade !
    Que Deus abençoe esse casal e que tudo dê certo nessa nova fase ! Muita fé sempre!

Deixe um comentário