Home > Colunistas > DRA REGINA CHAMON: MASSAGEM DURANTE O TRATAMENTO DO CÂNCER: PODE OU NÃO PODE?

DRA REGINA CHAMON: MASSAGEM DURANTE O TRATAMENTO DO CÂNCER: PODE OU NÃO PODE?

Durante o tratamento do câncer muitas pessoas ficam na dúvida: posso ou não posso fazer massagem?

Cada dia temos um maior número de estudos científicos sobre os benefícios e os malefícios da massagem, então vamos falar um pouco sobre  isso. A massagem faz parte de um conjunto de técnicas de manipulação corporal, em que o terapeuta aplica pressão nos músculos e tecido conjuntivo a fim de reduzir tensão e dor, melhorar a circulação sanguínea e estimular o relaxamento.
Vários estudos sugerem que a massoterapia alivia a dor relacionada ao câncer, alivia a ansiedade e a fadiga, relacionadas tanto à doença quanto ao seu tratamento, e melhora o humor. Além de ser um cuidado muito gostoso com a gente mesmo, não é?
Existem várias técnicas de massagem, e as mais recomendadas para pacientes com câncer são a reflexologia (massagem nos pés) e as técnicas de relaxamento que utilizam um toque mais suave. Em pacientes com câncer
de mama a drenagem linfática auxilia na redução do inchaço do braço após a cirurgia, e geralmente é recomendada como parte do tratamento médico.
A massagem, em geral, é segura quando realizada por um terapeuta qualificado e que tenha experiência em pacientes com câncer. Malefícios são raros, mas podem ocorrer com o uso de técnicas exóticas ou quando realizadas por profissionais destreinados ou inexperientes.
Em pacientes com câncer, o terapeuta deve evitar a aplicação de pressão profunda ou de forte intensidade, especialmente em locais próximos a lesões, gânglios aumentados, locais de cirurgia ou próximo a dispositivos médicos como cateter, sonda e dreno, a fim de prevenir deslocamento destes dispositivos, desconforto ou aumentar o risco de infecções. Pacientes com tendência a sangramento devem receber apenas toques suaves. Cada caso deve ser avaliado individualmente quanto a indicações ou contraindicações para o uso das terapias complementares.
Portanto, antes de iniciar qualquer terapia complementar, consulte o seu médico. E comunique sempre ao seu terapeuta sobre o tratamento da sua doença, a fim de que ele tenha as precauções necessárias.

Fonte: Evidence-Based Clinical Practice Guidelines for Integrative Oncology

Um abraço, e até
breve!
Dra Regina Fumanti
Chamon
Hematologista
CRM 120.010/SP
www.cuoremi.com

 

Comentários

comentário

1 Resposta

  1. Isabela ayres

    Eu sou paciente em tratamento e tenho a sorte de ter como amiga e profissional a Márcia, que com a massagem de acalanto tem tornado minha caminhada muito mais fácil. Me sinto renovada a cada toque, meu intestino voltou a funcionar, estou menos estressada e o melhor me sinto viva e mais amada!

Deixe um comentário