Home > as cats > ELIANE FERREIRA

Como três passam rápido. Para uma criança, milhões de coisas novas, uma série de descobertas.
Em minha profissão, vivêncio essa experiência todos os dias, ver um bebê ainda na posição quadrúpede dando seus primeiros passos e suas primeiras braçadas e quando chega +/- na idade de três anos já consegue se deslocar alguns metrôs nadando sozinho ou correndo.
E muito legal ver essa transformação da criança. Hoje completa três anos que fiz uma mastectomia.
Três anos passam muito rápido e fazendo alusão a criança que nem sabia andar hoje corre, nada, pula, tem toda uma vida pela frente.
Quando recebi a notícia de que estava com um nódulo – células neoplásicas infiltrantes – ou seja um câncer Meu mundo desabou. Tudo o que eu pensava, desejava, sonhava tinha acabado, não conseguia pensar em mais nada só conseguia ver tudo isso se destruindo, despencando junto comigo em um abismo interminável, me senti no desenho da Alice no País das Maravilhas, ela caindo no buraco.
Ficar sem chão é muito ruim. O pior ainda é achar que perdeu a esperança. Graças a Deus ele tem misericórdia de nós e nos deu família e amigos, eles se tornam o nosso chão. Ouvir o médico de como está grande o nódulo e crescendo rápido terá que fazer a mastectomia. Outra queda. Ainda não consegui me recuperar de uma, outra notícia (nesse estado), frustrante.
Já não basta meus sonhos acabados, agora vou ficar sem chão, sem cabelo e sem meu seio.
Muitas informações de uma vez, coisas inesperadas, exames que nunca tinha ouvido falar, consultas e consultas com médicos de todas as especialidades. Começo da Quimioterapia; acompanhamento psicológico; reações da quimio; primeiras queda de fios de cabelo; escolhas dos lenços. Talvez não seja precisa operar (pensamento diário)… Seis meses de tratamento quimioterápico, aprendendo a engatinhar, milhões de coisas novas, descobertas, novos hábitos, horários e rotinas.

IMG_20161008_121052750
Enfim o último dia da quimioterapia, teve resultado esperado, de 7.0 cm para 46mm o nódulo, porém vamos a segunda parte do tratamento: a assustadora operação.
Preparação para internação, compras roupas de fácil colocação, de abertura frontal, deixar tudo organizado tanto em casa quanto na casa onde iria ficar, nervosismo e ansiedade não me deixam.
Mesmo assim me pego sorrindo nesse momento com coração tranquilo acreditando que irá dar tudo certo. Vem a minha memória a música do Thalles Roberto “Eu sei seus pensamentos são mais altos que os meus, o teu caminho é melhor que o meu. Tua visão vai além do que eu vejo, o Senhor sabe exatamente o que é melhor para mim e mesmo que eu não entenda o seu caminho eu confio e Deus, porque sou tão pequenino assim vou ficar aqui quietinho no seu colo esperando o tempo certo de tudo, porque eu sei que vais cuidar de mim é o seu melhor está por vir. Mesmo sem entender,eu confio em ti.
Tudo preparado para o dia da internação, domingo Dia dos Pais.
Reconhecimento do quarto, regras, conhecer as outras pacientes, equipe médica, conversa de como será os procedimentos etc.
Tarde longa a noite não passa; o dia chega, entra médico sai enfermeira, nutricionista o remédio para dormir não faz efeito. A ordem de operar já está definida os mais velhos primeiro (como sou a mais nova) sou a última, marcado para o final da tarde. O dia não passa a tarde não vem, tem atraso, cada abertura de porta é uma aflição.

IMG-20161121-WA0031

Enfim chega minha vez de subir para sala de operação. De uma posição deitada tudo parece assustador o elevador, corredor, a própria Sala de Cirurgia, até o momento que anestesista aplica anestesia e eu apago. Depois de algumas horas, não sei exato quanto tempo de cirurgia, já estou em meu quarto e abro os olhos com a enfermeira me tocando para trocar o curativo.
Olha para baixo e vejo a cicatriz. Mas não sei se, por causa do efeito ainda da anestesia, não consigo raciocinar sobre uma cicatriz no lugar de um seio. Volto a dormir.
Acordo mais alguma vez no meio da madrugada; mas sem o efeito da anestesia mesmo, só quando a equipe médica vem ver o resultado da cirurgia que eles dizem que ficou ótima. Consigo mensurar o tamanho da cirurgia que vai do esterno a axila e um dreno (a equipe médica olha no meu rosto para ver minha reação a cicatriz).
Graças a Deus em casa. Como é bom estar em casa com o rosto familiar depois dos três dias de internação.
Aprender não é fácil, reaprender menos ainda.
Depender de alguém para te ajudar em tudo, colocar sua comida, tomar banho, trocar de roupa, trocar o curativo, outra posição para dormir,etc.
Redescobrir a vida, reconstruir os Sonhos.
Três anos para reaprender a viver, Ter Experiências inacreditáveis, conhecer pessoas incríveis, lugares fantásticos, outro olhar.
Três anos pode passar super rápido mas é tempo suficiente para prender um milhão de coisas.
Hoje comemoro meus 3 anos Bem vividos depois de uma mastectomia, ainda com receio, mas com pé no chão, sonhos na cabeça esperança no coração.

Agradeço muito a Deus pela vida de pessoas super queridas, minha cunha Merinha que cuidou de mim todo momento, minha irmã Elaine, meu cunhado Daniel, minha sobrinha Bianca que fazia os exercícios da fisioterapia comigo, todos meus irmãos e cunhadas, amigos, as orações, visitas. Obrigada!

lutadora: Eliane Ferreira SIlva
33 anos

Comentários

comentário

2 Respostas

Deixe um comentário